Fortalecimento do Colegiado Coletivo nas Bacias Hidrográficas

Artigo de Elias Adriano dos Santos*

A Constituição de 1988 trouxe disposições importantes e inaugurais sobre os recursos hídricos e ainda se encontra em vigor, especialmente nos termos da nova relação entre a sociedade civil e as autoridades públicas após o retorno do país a democracia.

A Lei 9433/1997 estabelece o arcabouço jurídico e institucional para a gestão dos recursos hídricos no Brasil, estabelece as diretrizes e os princípios básicos, de um recurso limitado e um bem público com valor econômico, a ser gerido de forma descentralizada e participativa, envolvendo todos os atores sociais, dentro de um território, sendo este a “Bacia Hidrográfica como Unidade de Planejamento”.

A ideia de criar comitês de bacias hidrográficas, nas esferas federais, estaduais em sequência os conselhos estaduais de recursos hídricos, agência de água como órgão técnico e regulador e agências de bacias como o braço executivo, onde já existe a cobrança pelo uso da agua.

Os comitês de bacias hidrográficas são plataformas consultivas e deliberativas para a gestão dos recursos hídricos na respectiva escala hidrográfica. Esta ferramenta de gestão deve ser usada de uma maneira que não entre em conflito com os atores sociais, sempre fortalecer a parceria com os órgãos gestores estaduais.

De acordo com a Lei 9433 de 1997 (Artigo 38), os comitês devem promover debates sobre temas pertinentes; arbitrar disputas em primeira instância administrativa; aprovar os planos de bacia hidrográfica; acompanhar a implementação dos planos e propor medidas para cumprir as metas estabelecidas; propor ao conselhos nacional, e estaduais a isenção de outorga para usos insignificantes; estabelecer mecanismos para a cobrança e propor os montantes a serem coletados; estabelecer critérios e promover a partilha dos custos das estruturas para usos múltiplos e de interesse comum.

A participação dos usuários e da sociedade civil é essencial e não devem entrar em conflito com as atribuições e competências dos atores sociais da bacia hidrográfica. A governança da água, no entanto, pode servir de exemplo da articulação construtiva “democracia direta” com a “democracia representativa”, esse certamente é um indicador do empoderamento e da maturidade política e social.

A representatividade e a continuidade, dentro dos comitês de bacias hidrográficas, são um desafio, devido aos impactos dos ciclos políticos sobre os membros do setor público (mudanças frequentes e baixa memória institucional dos recém-chegados).  Nesse sentido, os representantes dos usuários e da sociedade civil trazem alguma estabilidade e continuidade para essas estruturas, o que é positivo.

Por um lado, os comitês de bacias hidrográficas tornam-se dependentes da autoridade estadual, quando as secretarias executivas estão ligados a órgão gestores, muitas vezes são utilizados como comitês eleitorais e não como um parlamento das aguas.

O nível de participação dos municípios nos colegiados coletivos, tanto interno (Conselhos Municipais) como externo (Conselho Estadual, Comitês de Bacias) é considerado baixo, dependendo das condições locais, da importância dada aos problemas hídricos, da motivação dos prefeitos e colaboradores e dos interesses específicos em jogo.

Isto, por vezes, justifica a ausência de recursos humanos e financeiros para participar efetivamente e só aparecendo quando há votação de projetos, em que as prefeituras estão envolvidas.

Poucos municípios no Brasil, tem leis municipais de recursos hídricos, sendo um diploma legal para o controle local da expansão urbana, parcelamento do solo comprometendo as áreas de recargas, principalmente na zona rural e não são estimulados a criá-los.

Portanto, o desafio, reside no fato de que os comitês de bacias hidrográficas não sejam mais vistos principalmente como balcão de negócios e sim como órgãos deliberativos, consultivos para discutir políticas e construir o consenso dos usos múltiplos da agua.

Referências bibliográficas:

BRASIL. LEI Nº 9.433, DE 08 DE JANEIRO DE 1997. Política Nacional de Recursos Hídricos. Brasília: DF, 1997.

O Comitê de Bacia Hidrográfica: o que é e o que faz? – Agencia Nacional de Águas – Brasilia:SAG,2011.

THAME, Antônio Carlos de Mendes.1.Bacias hidrográficas-Administração-Brasil 2.Recursos hídricos-Desenvolvimento-Administração. Comitê de bacias hidrográficas: uma revolução conceitualAntônio Carlos de Mendes Thame, organizador-São Paulo: IQUAL Editora,2002.

OCDE(2017), Cobrança pelo uso de recurso Hídricos no Brasil: Caminhos a seguir, Editions OCDE, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/9789264288423-pt

Elias Adriano dos Santos– Formado em Educação Física, Pedagogo, Pós-graduado: Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Educação Ambiental, Pós-graduado: Educação, Patrimônio e Cidadania, Presidente da Associação Jaguamimbaba, Presidente do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, e Conselheiro do Conselho Consultivo da APA da Serra da Mantiqueira, Participa do CBH-PS, do CEIVAP,  da Câmara Técnica de Educação Ambiental do CRH-SP, do GT-Mantiqueira da Secretaria do Meio Ambiente de SP.  

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Com muito ❤ por go7.site
⚙️