Entrevista com Aliny Pires – Coordenadora do Relatório Temático “Água: biodiversidade, serviços ecossistêmicos e bem-estar humano no Brasil”

Entrevista concedida por Aliny P. F. Pires com exclusividade para o Observatório da Governança das Águas.

Aliny P. F. Pires (AP) é Professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), pesquisadora associada à Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS), à Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES) e à Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais (Rede Clima) e líder do estudo “Água: biodiversidade, serviços ecossistêmicos e bem-estar humano no Brasil”

O Relatório pode ser copiado no final da entrevista.

 1) Qual é a grande novidade (o ineditismo) do Relatório?

AP – O relatório é o primeiro que integra as diferentes dimensões da água, para além dos recursos hídricos do país, mas como fonte de biodiversidade e patrimônio cultural brasileiro. Ambientes aquáticos abrigam uma biodiversidade imensa, com muitas espécies endêmicas e/ou em estado crítico de conservação. Além disso, diversas populações tradicionais e comunidades indígenas possuem modo de vida diretamente atrelado aos ambientes aquáticos. Assim, o relatório chama a atenção da importância da conservação das águas brasileiras, considerando estes diferentes aspectos, como passo primordial para garantir a habilidade competitiva do país em um cenário global.

2) Quais são os principais desafios para a manutenção da quantidade e qualidade das águas no Brasil?

AP – A realidade da questão hídrica no país é extremamente heterogênea e, portanto, a resposta desta pergunta depende da localidade de análise. A região Norte para o país, possui grande abundância deste recurso, ao mesmo tempo que aquela que apresenta os maiores índices de perda na distribuição. Na região Nordeste, a questão além dos baixos índices pluviométricos, a baixa qualidade da água coloca a região em uma situação crítica de segurança hídrica. Nas grandes metrópoles do Sudeste, a qualidade da água e condição sanitária dos ambientes aquáticos é o ponto crítico que afeta o abastecimento e o bem-estar da população. Assim, os principais desafios são (i) incorporar a heterogeneidade de soluções demandadas em um país de escala continental como é o Brasil; (ii) garantir a efetividade dos mecanismos de fiscalização e governança existentes e (iii) assegurar a tomada de decisão com base em conhecimento técnico-científico.

3) Quais as bacias hidrográficas que estão mais ameaçadas?

AP – Cerca de 40% do território nacional apresenta níveis de ameaça a biodiversidade de moderado à elevado. E quase todas as bacias, se não estão sob condições críticas atualmente, são previstas grandes modificações no futuro. Desta maneira, uma atenção deve ser dada a todo o país, mas destaco a bacia do São Francisco e a porção costeira de todas as demais bacias, onde se concentra a maior parte da população.

4) As populações das regiões metropolitanas estão correndo risco de novos eventos de escassez hídrica?

AP – Certamente, as mudanças climáticas serão um agravante da escassez hídrica que muitas cidades já vivenciam. Da mesma forma, em contradição, também sofrerão com grandes inundações em um futuro próximo. Daí a importância do PNSH como um instrumento importante para investimento em infraestrutura necessária, mas precisa incorporar soluções baseadas na natureza e ajustar a dimensão ecossistêmica do ISH.

5) Como o estudo se conecta com a Política Nacional de Recursos Hídricos e o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos? Como se conecta aos Comitês de Bacias Hidrográficas?

AP – A PNRH é instrumento fundamental e o estudo chama a atenção da importância destes marcos legais como componente chave para o desenvolvimento social, econômico e ambiental do país. E a atuação integrada e eficiente do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos é crítica para que os mecanismos legais vigentes sejam implementados e aprimorados. Dentro desta perspectiva os Comitês de Bacias têm papel mais que importante, fundamental por viabilizar a participação da sociedade civil e atuar nas decisões e demanda que são apresentadas.

6 – Como vê a atuação dos Órgãos gestores e dos Comitês de Bacias Hidrográficas? Eles são suficientes para enfrentar os principais desafios apresentados pelo Estudo?

AP – A água é um tema transversal. Nenhuma entidade sozinha, seja os órgãos gestores, seja os comitês de bacia terá força suficiente para garantir uma solução de médio-longo prazo. Acredito ainda que nem a interação efetiva entre os setores relacionados a água resolverá a questão. A discussão deve ser interdisciplinar, multisetorial e considerar o papel dos diferentes componentes relacionados ao tema, considerando o papel essencial que a água tem para o desenvolvimento do país.

7 – Até o ano passado o SINGREH estava no Ministério do Meio Ambiente (MMA), no atual governo o SINGREH migra para o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), como analisa esta mudança?

AP – Ela vai contra a lógica da proposta deste relatório e contra toda a discussão que tem sido levantada para o tema, nos principais documentos sobre a água e inclusive no que foi discutido no último Fórum Mundial da Água, por ir na direção de desacoplar a questão dos recursos hídricos da questão ambiental, enquanto um esforço de integração era o esperado. Colocar o SINGREH no MDR é ressaltar o caminho de investimento em infraestrutura convencional, que será importante em várias situações, mas diminui o peso de soluções baseadas na natureza, da biodiversidade única que os corpos hídricos do país possuem e do patrimônio cultural que representa. Junto ao MMA, este seria um caminho natural para identificar as soluções necessárias para o tema.

8) No Infográfico “Caminho das Águas” apresentado no Estudo, fala em Fortalecimento das Instituições de Gestão das Águas, na avaliação de vocês, por onde passa este “fortalecimento”?

AP – A mobilização popular, a difusão do conhecimento e o apoio técnico da academia, do corpo técnico das próprias instituições e de outras entidades relacionadas ao tema, como o Observatório das Águas, que integra e representa diferentes setores são elementos críticos para que a função de origem das instituições de gestão e suas competências técnicas sejam valorizadas e consequentemente fortalecidas. A difusão da informação que revela a importância e missão destas instituições é o caminho mais seguro para este fortalecimento

9) Em um balanço final, quais são as medidas urgentes e necessárias para enfrentar os desafios apresentados pelo estudo?? A solução passa pelo Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos? Ou passados 22 anos de Política Nacional de Recursos Hídricos, a política precisa de algum aperfeiçoamento?

AP – A integração dos diferentes aspectos relacionados a água para sua gestão, o aperfeiçoamento da avaliação da segurança hídrica que negligencia as diferentes ameaças a biodiversidade, o fortalecimento das instituições de gestão e fiscalização, a implementação de medidas de precaução e o engajamento dos múltiplos setores usuários são fundamentais para enfrentar os desafios. Neste sentido o SINGREH é instrumento chave por identificar os diferentes atores, bem como viabilizar a interação entre eles, em especial através da participação ativa da sociedade civil. Para isso, a PNRH precisa ser aperfeiçoada no sentido de garantir que seus instrumentos sejam implementados e que as soluções que foram sendo levantadas ao longo destes últimos 20 anos, como as soluções baseadas na natureza, sejam incorporadas explicitamente a lei.

Comentários Livres – As informações do documento podem ser acessadas no site da BPBES e em caso de qualquer dúvida, estou à disposição através do email [email protected]

O Sumário para Tomadores de Decisão está anexo nesta entrevista>BPBES_SPM_Agua

O Relatório completo pode ser acessível no link abaixo:

https://www.bpbes.net.br/produto/agua/

Pequeno Glossário:

PNSH – Plano Nacional de Segurança Hídrica

ISH – Índice de Segurança Hídrica

SINGREH – Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos

PNRH – Política Nacional de Recursos Hídricos

Agosto de 2019

Secretaria Executiva do OGA Brasil

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Com muito ❤ por go7.site
⚙️